Gaia (Adoa Coelho)

Gaia é a personificação do antigo poder matriarcal das antigas culturas Indo-Européias. É a Grande Mãe que dá e tira, que nutre e depois devora os próprios filhos após sua morte. É a força elementar que dá sustento e possibilita a ordem do mundo. Nos mitos gregos, os conflitos entre Gaia e as divindades masculinas representam a ascensão do poder patriarcal e da sociedade grega sobre os povos pré-existentes.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Viver a Liberdade Sempre


Grândola Vila Morena...

Destruam-se as Esc.ol.as, elas são subversivas.
Usem-se bombeiros para o trabalho... 1984? Ironia?
Ha! Talvez não!

Hitler também teve muito medo dos livros. A famosa noite de Cristal foi disso testemunho. Quantos países não controlam a Internet e outros a tentam controlar por todos os meios? SOPA?

A Liberdade é dos valores mais fantásticos que o ser humano possa ter. É aqui que nos formamos. É aqui que somos. É a base. Gosto muito de saber que o Günter Grass tem o direito de escrever poemas que ponham em causa o que estados como o de Israel fazem na total conivência de grande parte do Mundo. Gosto de saber que tenho o direito de denunciar o que países muçulmanos fazem para conter a vida em si. As facas devem cortar sempre para ambos os lados.

Só assim podemos ser livres.

Gosto de poder manifestar-me a favor de um Tibete livre. Gosto de saber que todos os livros do Saramago podem ser comprados em Portugal embora tenha havido tentativas de supressão.

Gosto de saber que a LIBERDADE existe TODOS OS DIAS e EM TODAS AS PESSOAS. E que não depende quanto dinheiro temos ou não temos. A escolha é sempre nossa. Digam o que disserem. Matem-nos ou não! Somos nós que escolhemos viver assim.

Grândola Vila Morena...
Foi assim que começou a revolução de 1974.
Começou com umas notas de música e palavras que lhe davam a mão no ritmo. Foi a cultura que tocou o sino. Não haja dúvidas do porquê dos governos temerem sempre e tanto a cultura!

Em Portugal, os cravos são feitos de letras e música!

Está em cada um de nós festejar a data todos os dias ou apenas quando marcada num calendário.
Eu escolho ser livre e festejar a liberdade sempre. Eu escolho a responsabilidade que esta escolha acarreta. A Liberdade não é fácil, requer escolhas conscientes a cada oportunidade. E devemos tomá-las todos os dias. É como um alimento, não precisamos de comer todos os dias? É assim com a liberdade. Deve ser exercida TODOS OS DIAS ou esquecemos de que a podemos exercitar e ela murcha como um cravo sem água.

Hoje, dia 26 de Abril, 38 anos e dia depois da revolução portuguesa, é quando mais podemos exercitá-la. Para quando o 27 chegar, não nos esquecermos de onde vimos e no dia 28, sermos escravos de novo.

Pela minha parte, estarei disposta a dar o exemplo.

EU SOU LIVRE!